terça-feira, 26 de junho de 2018

Cabelos Crespos Coloridos e Porosidade Capilar

Compartilhe:
Porosidade Capilar Cabelos Crespos Descoloridos e Coloridos
Guest post da Maressa, do Caheia!

A mudança na cor dos cabelos faz parte da vida das mulheres brasileiras. Há um apelo significativo para a coloração de acordo com as estações do ano, com os lançamentos do momento e inclusive a partir do que as personalidades da mídia estão usando. Tudo isso são tendências de consumo que despertam a vontade de colorir os fios. No caso de mulheres com cabelos naturalmente cacheados ou crespos que passaram pela transição capilar, essa vontade de brincar com as possibilidades de cor é muito frequente já que a impressão que se tem é que, uma vez livre de "químicas" alisantes e relaxantes, é possível mudar a cor sem medo.

A má notícia é que as colorações e descolorações também são "químicas" e existem estudos que associam os processos de coloração e descoloração com danos à fibra capilar. Vejamos o porquê.



Os efeitos da coloração e da descoloração sobre cabelos naturalmente crespos 


Os efeitos da coloração e da descoloração sobre cabelos naturalmente crespos

A primeira coisa que a gente precisa ter em mente é que quando passamos por um processo como a descoloração, não estamos mudando só a superfície, isto é, a aparência dos cabelos. A mudança de cor representa também uma mudança na estrutura dos fios e pode inclusive, prejudicar aspectos como a definição dos cachos.

Em resumo, nossos fios possuem três partes principais: a parte central é chamada de medula, que por sua vez é envolta pelo córtex. A parte mais externa é chamada de cutícula. Cada uma delas tem funções específicas e precisam ser preservadas para manter a saúde dos cabelos.

Tinturas temporárias como os tonalizantes geralmente se fixam na parte externa dos fios e tendem a sair aos poucos, lavagem após lavagem. As tinturas permanentes por sua vez, possuem agentes oxidativos que permitem o depósito de pigmento artificial no córtex e a fixação da cor por mais tempo. O grande problema é que a região do córtex contém nossos pigmentos naturais e é responsável em grande medida pela elasticidade, a forma e a resistência dos cabelos. Na verdade, a maior parte do “corpo” do nosso cabelo corresponde ao córtex.¹ Nesse sentido, quando falamos em coloração permanente, os danos costumam ser mais profundos que aqueles ocasionados pelas colorações temporárias sem amônia.


De modo geral, as colorações convencionais agem através da água oxigenada (peróxido de hidrogênio) e da amônia. Diferente do pH natural dos cabelos, que é ácido, os produtos usados para o clareamento dos cabelos possuem um pH altamente alcalino para facilitar a "abertura" da cutícula, a oxidação da melanina natural e a transformação para uma nova cor. Esse processo é muito agressivo e pode ocasionar a perda de massa dos fios, que se tornam mais “finos” e enfraquecidos após sucessivos processos de coloração ou descoloração.

Aliás, a descoloração é ainda mais agressiva que a coloração nesse aspecto. Alguns estudos apontam que além de degradar os pigmentos naturais, ela oxida os aminoácidos presentes no fio. Pesquisadores chegam a falar na destruição de 15 a 45% da cisteína dos cabelos.²

Essas alterações são sentidas na capacidade de resistência dos fios, que podem se partir com facilidade ao serem puxados. As consequências desse tipo de agressão também podem ser notadas a partir da alteração na superfície da fibra capilar. Cabelos quimicamente destratados se tornam mais opacos e ásperos ao toque em função dos danos à cutícula e da quebra.³

Em cabelos saudáveis, as cutículas apresentam-se sobrepostas como uma espécie de telhado que protege o comprimento dos fios. Não se trata de um fechamento completo, mas de estado "semiaberto" que permite a penetração de tratamentos por exemplo. A gente sabe que superfícies mais lisas refletem a luz com mais facilidade, correto? O contrário também é verdadeiro: diante da degradação da fibra capilar ocasionada por agressões químicas, as cutículas podem ficar mais "abertas" e  comprometidas em algumas regiões. Assim, os fios perdem brilho, proteção podem se tornar mais porosos.⁷

Descubra mais que o óbvio sobre o pH de produtos capilares neste post para iniciantes e avançados.

A porosidade é essa capacidade que nossos fios possuem de absorver/reter líquidos. Quando os fios estão muito porosos, podem ter dificuldade para reter a hidratação em seu interior, ocasionando falta de maciez e dificuldade para pentear. Assim, por mais que os fios absorvam muita água durante a lavagem, perdem a umidade com a mesma facilidade.

Estima-se que um fio normal, em boas condições, quando seco tem 15% de água e quando molhado,  absorve até 30% do seu peso em água. Fios com a cutícula danificada, podem absorver até 40% do seu peso em água.⁴

Esse quadro assustador pode ser minimizado por algumas novidades produzidas pela própria indústria cosmética. Nesse sentido, vou dividir com vocês algumas dicas para cuidar dos cachos coloridos e minimizar os danos causados pelas mudanças da cor.

Tem flor nova no jardim da Kah-noa, confira aqui a resenha da máscara Butterflower.



Cuidados ao colorir cabelos crespos  

Posso dizer que me tornei uma camaleoa depois da transição capilar. Já usei tonalidades em chocolate, azul, vermelho, dourado, violeta e por aí vai. Para quem também está sempre mudando a cor e não tem a necessidade de cobrir cabelos brancos, uma boa opção é substituir as colorações com amônia pelos tonalizantes. Como já vimos até aqui, eles se depositam na superfície dos fios e são bem menos agressivos para a saúde dos cachinhos. Além disso, por se soltarem com mais facilidade, tornam o processo de mudança mais tranquilo.

Outra recomendação para quem pretende continuar mudando é passar bem longe da tintura preta. A coloração é o resultado da interação entre o pigmento que já está nos nossos fios e o pigmento novo que chega. Nesse sentido, quando os cabelos já possuem um pigmento artificial, principalmente um tão escuro, a dificuldade para retirar esse pigmento e chegar em tons mais claros é enorme. Portanto, se você quer apenas dar uma pausa nas colorações mas sabe que logo logo o bichinho da mudança vai te morder, opte por tons de castanho claro ou castanho médio e fuja do preto.

Outra recomendação é evitar descolorir o mesmo comprimento de mecha sucessivas vezes para evitar a alta porosidade. Sempre que possível, trabalhe com a descoloração e o retoque de cor apenas do comprimento de mecha novo que está crescendo. Esse cuidado é essencial para cabelos crespos, que são naturalmente mais finos e frágeis e que costumam se partir com manipulações simples, como o ato de pentear, escovar, amarrar, etc.

Nosso perfil no Instagram está cheio de dicas imperdíveis. Segue a gente! Instagram do Cabeleira em Pé: Clique Aqui!

Manutenção e tratamento de cabelos crespos coloridos 


Quanto à manutenção da cor, o ideal é buscar por linhas específicas para cabelos coloridos. No caso de fios loiros por exemplo, shampoos e máscaras desamareladoras são bons aliados. Máscaras à base de queratina, creatina, colágeno e proteínas hidrolisadas podem conferir mais resistência e brilho aos cabelos. Além disso, a presença de itens para nutrição como óleos e manteigas vegetais é bem-vinda para devolver maleabilidade para as madeixas.

Na hora de lavar, quem tem cabelos coloridos deve evitar a água quente. Se possível, é interessante evitar também shampoos com tensoativos sulfatados e optar por shampoos de limpeza suave, liberados para a técnica Low Poo. Isso porque, alguns shampoos convencionais utilizam tensoativos como o Sodium Lauryl Sulfate, TEA Lauryl Sulfate, Ammonium Lauryl Sulfate e TEA Dodecylbenzene, que em função do alto poder de limpeza são considerados mais agressivos e podem deixar os fios ressecados⁴  Caso não abra mão do shampoo convencional, invista no pré-poo, ou seja, nos mini tratamentos antes do shampoo.⁵

Você sabia que Nem todo Shampoo sem Sulfato é Liberado para Low Poo? Entenda neste link e evite comprar gato por lebre.

Na finalização, é essencial buscar por produtos com proteção solar. Já reparou que algumas pessoas possuem manchas mais claras na tintura, principalmente no topo da cabeça, e que geralmente essas regiões também são mais secas? Pois é, a exposição excessiva ao sol sem proteção pode precipitar o desbotamento da cor. Além disso, segundo pesquisas, a ação dos raios UVB, causa fotodegradação das ligações de cistina dos cabelos, que tem como consequência menos resistência e mais porosidade.⁶

Como nossos cabelos já ficam mais frágeis no pós-coloração, o ideal é ficar um tempinho longe de fontes de calor como o secador e chapinha. Mas se não tiver jeito, os finalizadores com proteção térmica também são uma ótima dica.

Por fim, para manter seu crespo colorido e bonito, faça um corte de manutenção a cada 3 ou 4 meses. Tirar as pontinhas é uma ótima maneira de manter o balanço, valorizar o formato dos fios e claro, se livrar de possíveis pontas ressecadas.



Alguns produtos liberados para Low Poo e/ou No Poo que podem auxiliar no tratamento de cabelos crespos coloridos:

Produtos No Poo e Low Poo para Cabelos Crespos Coloridos e Descoloridos

  1. Condicionador Color Fixation - Surya (No Poo)
  2. Condicionador Soft Poo Tudo na Hora do Banho  - Sou Dessas (No Poo)
  3. Manteiga Arginina e Colágeno - Soft Hair (No Poo)
  4. Spray CPA Eu Sei O Que Você Fez Na Química Passada  - Lola Cosmetics (No Poo)
  5. Máscara Be(M)dita Ghee Reconstrução Papaya e Queratina - Lola Cosmetics (No Poo)
  6. Banho de Creme Pós-Química Abacate e Jojoba - Bio Extratus (Low Poo)
  7. Finalizador Pós-Química Abacate e Jojoba - Bio Extratus (Low Poo)
  8. Linha Pós-Coloração Goji Berry - Bio Extratus (Low Poo)
  9. Proteína Capilar Bendito Seja - Haskell (Low Poo) 
Deixo aqui meus agradecimentos pela oportunidade de escrever para o Cabeleira em Pé. Sou uma grande admiradora do trabalho cuidadoso desenvolvido nesse site e nas redes sociais.

Por Maressa de Sousa, do Cacheia.

__________

Referências


¹ OLIVEIRA, V. G, 2013, IN: SANTOS, Andreza C. Fibra Capilar, Agentes de Coloração e Descoloração: Química, Mecanismos de Ação e Danos Oxidativos. Disponível em: <portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/235/1-Fibra_Capilar_Agentes_de_ColoraYYo_e_DescoloraYYo__QuYmica_Mecanimos_de_AYYo_e_Danos_Oxidativos.pdf> 
² WICHROWSKI, L. 2007 IN: CHILANTE, Jucemara Aparecida; DE OLIVEIRA VASCONCELOS, Leonardo Bruno; DA SILVA, Daniela. Análise dos princípios ativos do protocolo destinado à reestruturação capilar.  Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Jucemara%20Chilante,%20Leonardo%20Vasconcelos.pdf> 
³ Vanessa Zulueta Antonio, Valéria F. Monteiro, Valéria Longo, Carlos A. Paskocimas, Elson Longo. Mudanças causadas em cabelos por meio de tinturas permanentes. Disponível em: <https://www.katleia.com.br/wp-content/uploads/2017/09/15.pdf>
⁴ GOMES, A.L, 1999 IN: PONTAROLLA, Rayssa Stephani Carolina; MALUF, Daniela Florencio. Reconstrução capilar com base de queratina termicamente ativada. Disponível em: <http://tcconline.utp.br/media/tcc/2017/03/RECONSTRUCAO-CAPILAR-COM-BASE-DE-QUERATINA-TERMICAMENTE-ATIVADA.pdf> 
⁵ BAPTISTA,  Karina F. & BONETTO, Nelson C. F. Estudo comparativo de xampus com e sem tensoativos sulfatados. . <http://revista.oswaldocruz.br/Content/pdf/Edicao_12_Baptista_Karina_Fernandes.pdf>
⁶ GOMES, 1999; FLOERVAS, 2010 IN: CHILANTE, Jucemara Aparecida; DE OLIVEIRA VASCONCELOS, Leonardo Bruno; DA SILVA, Daniela. Análise dos princípios ativos do protocolo destinado à reestruturação capilar.  Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Jucemara%20Chilante,%20Leonardo%20Vasconcelos.pdf> 
⁷ MANSUR; GAMONAL, 2004; NAKANO, 2006 IN: CHILANTE, Jucemara Aparecida; DE OLIVEIRA VASCONCELOS, Leonardo Bruno; DA SILVA, Daniela. Análise dos princípios ativos do protocolo destinado à reestruturação capilar.  Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Jucemara%20Chilante,%20Leonardo%20Vasconcelos.pdf>